DENÚNCIA

Vergonha: cidades do Pará são as menos competitivas do Brasil; veja ranking

Mais uma péssima notícia para o portfólio de deterioração social do estado do Pará, um dos piores do país em qualidade de vida: cinco municípios daqui acabam de ser considerados os menos competitivos do Brasil, considerando-se as dimensões sociedade, economia e instituições. É o pior desempenho do estado numa pesquisa ampla, em nível municipal, entre todas as que já foram divulgadas fora de censo.

As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu, que se debruçou sobre as 105 páginas do inédito “Ranking de Competitividade dos Municípios 2020”, lançado nesta quinta-feira (19) pelo Centro de Liderança Pública (CLP) e no qual, nas dimensões que o compõem, foram considerados pilares como sustentabilidade fiscal, funcionamento da máquina pública, acesso à saúde, acesso à educação, segurança, saneamento e meio ambiente, inserção econômica, inovação, capital humano e telecomunicações.

O estudo busca alcançar entendimento mais profundo e abrangente dos 405 mais populosos municípios do país (todos com mais de 80 mil habitantes), trazendo ferramenta simples e objetiva que paute a atuação dos líderes públicos brasileiros na melhoria da competitividade e da gestão pública local. De acordo com o CLP, a competitividade de um município está diretamente ligada à capacidade de ação dos seus líderes.

No ranking, as notas atribuídas aos municípios variam de 0 a 100, em que quanto mais próxima de 100, mais competitivo é o município. Dos 20 representantes paraenses que constam do estudo, cinco são os lanterninhas eméritos por apresentarem as notas mais baixas. Marituba, Tucuruí, Abaetetuba, Tailândia e Moju têm desempenho tão pífio no conjunto de indicadores que chegam a ter nota na casa dos 20 pontos, um terço da pontuação das localidades mais bem posicionadas.

A diferença entre o mais bem colocado no ranking, o município paulista de Barueri, com 64,33 pontos, e o paraense Moju, com 21,81, é de 41,52 pontos. Na prática e de forma didática, é como se Moju precisasse correr 20 anos no tempo futuro para alcançar o padrão de competitividade ostentado por Barueri hoje, município da Grande São Paulo que atrai indústrias diversas e onde um novo grande empreendimento imobiliário floresce por dia.

Pará tem 9 dos 10 mais fraquinhos do Brasil

Não bastasse ter os cinco municípios mais fracos em competitividade, o Pará emplaca outros quatro nomes no “Top 10”: Breves, Itaituba, Cametá e São Félix do Xingu. Todos eles têm em comum o elevado grau de desorganização social, que leva ao engessamento do desenvolvimento humano, quando todos os indicadores socioeconômicos e fiscais deles são cruzados.

Além disso, Belém (44,17 pontos), melhor colocada no estado e, ainda assim, na 256ª colocação nacional, é a 3ª capital menos competitiva entre as 27. Só não perdeu para Porto Velho (43,08) e Macapá (41,59). Estrelas como Parauapebas e Marabá também estão na metade final do ranking, atrás, inclusive, de municípios sem o dinamismo econômico. É o reflexo de que a prosperidade econômica caminha completamente dissociada do progresso social de que, de fato, necessita a população para alcançar o mínimo de qualidade de vida

POSIÇÃO E NOTA DOS MUNICÍPIOS PARAENSES NO RANKING DOS 405

1º Barueri (SP): 64,33

2º São Caetano do Sul (SP): 64,30

3º São Paulo (SP): 61,91

4º Florianópolis (SC): 61,68

5º Curitiba (PR): 60,64

6º Vitória (ES): 60,41

7º Santos (SP): 60,00

8º Campinas (SP): 59,32

9º Indaiatuba (SP): 59,20

10º Porto Alegre (RS): 59,11

256º Belém: 44,17

271º Parauapebas: 43,31

356º Paragominas: 37,42

357º Altamira: 37,42

368º Marabá: 36,36

369º Santarém: 36,34

370º Barcarena: 36,19

375º Castanhal: 34,41

376º Ananindeua: 34,41

379º Redenção: 34,10

383º Bragança: 33,52

395º São Félix do Xingu: 31,02

397º Cametá: 30,36

398º Itaituba: 29,60

399º Breves: 28,42

401º Marituba: 27,67

402º Tucuruí: 27,30

403º Abaetetuba: 25,76

404º Tailândia: 24,08

405º Moju: 21,81

Fonte Zé Dudu

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar