DENÚNCIA

Ursula Vidal demite mulher negra com bebê recém nascido e gera revolta

Na última quarta-feira, 03, a Secretária de Cultura do Estado, Ursula Vidal, através do seu sub-secretário, demitiu uma mulher negra com duas crianças pequenas, sendo que uma das crianças ainda é de colo.

A demissão foi via vídeo chamada e nem foi dada qualquer justificativa, o que deixou todos perplexos. A demissão e a forma como Lorena foi demitida, gerou revolta de ativistas pela defesa do negro no Pará.

Uma mulher preta, mãe de 2 filhos, foi demitida na última quarta-feira. @lorenacultura foi demitida por vídeo conferência pelo diretor de cultura de @ursulavidalpa. A mulher, que defende mulher, que luta pelo direito das mulheres, demitiu uma mãe, lactante, preta, EM PLENA PANDEMIA. E o motivo? @lorenacultura não aceitar, apoiar todas as atitudes FASCISTAS dessa mulher, “que defende mulher”?? Agora a tal da Úrsula tá muito bonitinha, distribuindo HASHTAGS que VIDAS NEGRAS IMPORTAM.. TUA MÁSCARA CAIU, e a gente vai fazer barulho SIM! No alto do meu privilégio eu vou fazer de tudo pra que todo mundo SAIBA, que a única vida que te importa, é a TUA PRÓPRIA!, disse Samantha Quemel.

“Essa imagem me destruiu por dentro, pq conheço Lore e toda a sua história de luta pela cultura do Pará. Estou muito decepcionada e triste. Ser demitida sem justificativas com um filho pequeno e um bebê de colo no meio de uma pandemia não desce. N podemos nos revoltar com algo que acontece fora do Brasil, fora do Estado e não olhar para nossas próprias questões. Nossa revolta não pode ser seletiva”, disse Joyce Cursino.

Os ativistas questionam também Ursula que, estaria usando a pauta do racismo, para se promover politicamente.


⁣⁣⁣Ursula também estaria bloqueando de suas redes sociais pessoas que estão questionando a demissão de Lorena.

Ursula Vidal bloqueou os comentários em sua conta no Instagram e até o momento não se posicionou sobre o caso.

Artigos relacionados

2 Comentários

  1. A mulher fez merda. Foi demitida porque falou mal da chefe e do departamento que trabalha num grupo publico de whatsapp denoninado “gestores de cultura contra o fascismo”. As falas, agressivas vazaram. A mulher dizia que não queria ficar nesse emprego, em outro print chama a Ursula de fascista. E agora diz que foi demitida por racismo? Gente, que assuma as consequências das suas proprias decisões. Dizer que é racismo, usar a imagem dos filhos é OPORTUNISMO e fala muito do caráter das pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar