ColunaCORONA VÍRUS

Belém, a capital paraense da Covid-19

Por Eduardo Cunha

Nesta terça feira, 30, a Região Metropolitana de Belém saiu do lockdown  e mudou o bandeiramento do preto para vermelho. O prefeito Edmilson Rodrigues (PSOL), ao lado do governador Helder Barbalho (MDB) e prefeitos da Grande Belém, como Ananindeua, Benevides, Santa Bárbara e Marituba anunciou a mudança com entusiasmo.

Em suas redes sociais, Edmilson Rodrigues chegou a publicar comemorando, que a cidade de Belém é “destaque na vacinação do Brasil”.

Nada para comemorar – A história não é bem assim. A verdade é que Belém se encontra entre as cidades onde, proporcionalmente, mais se morreu pela Covid. Não foi à toa que segundo os dados do Ministério da Saúde, Belém está entre as cinco cidades com um dos maiores números de mortos pela doença nas últimas 24 horas.

Alguém poderia alegar que o estado inteiro se encontra em situação semelhante, todavia não é bem verdade, a nossa vizinha Ananindeua, por exemplo, foi listada em um ranking feito pela revista Exame como a quinta cidade que com a menor taxa de mortalidade pela Covid.

Desmentido – Na Semana passada, o prefeito Edmilson Rodrigues foi desmentido de forma constrangedora nas redes sociais por um punhado de internautas que não deixaram por menos e acusaram a “fake news” deixando o psolista de saia justa.

Veja a reportagem aqui: Edmilson Rodrigues é desmentido no Twitter: Belém não é a primeira capital a vacinar todos de 60 anos

A “potoca” da vez era que Belém, segundo Edmilson anunciou no Twitter, seria a primeira capital brasileira a vacinar toda a sua população de 60 anos. Não demorou para os internautas o desmentissem. Na verdade, Belém não só “perdia nesta corrida” para Manaus, que havia vacinado primeiro, como novamente perdia também para vizinha Ananindeua.

Perdido – De certo não deve ser fácil para nenhum gestor estar à frente da administração de grandes capitais em períodos como estes, em que decisões erradas podem custar centenas de milhares de vidas, mas o fato é que, fora da propaganda, Edmilson parece estar perdido.

Há poucos dias, decretou o retorno às aulas do ensino público e, contestado pela militância, disse em vídeo se eximindo de responsabilidades “vai quem quer”.

Veja o vídeo:

Média de mortes mais alta que Zenaldo – Comparações que têm por base a análise de vários fatores em conjunto correm o risco de serem injustas, se analisadas em separado, mas o fato é que observando apenas os números sobre a doença, Belém já acumula uma média de mortes por Covid com três meses de gestão de Edmilson Rodrigues que no período em que Zenaldo Coutinho era prefeito, em 2020.

Nos dez meses da pandemia, de março a dezembro de 2020, durante a gestão de Zenaldo Coutinho, houve 2.586 óbitos por Covid-19 em Belém, o que dá uma média 258,6 mortes/ mês.

Na atual gestão de Edmilson Rodrigues, até terça-feira, 1, foram mais 1.006 mortes pela pandemia, o que dá a média nos últimos três meses, de janeiro a março de 2021, de 335,33 mortes/ mês.

Ao todo, Belém, tem de março de 2020 a março de 2021, 3.592 óbitos causados pela pandemia do novo coronavírus. Esses dados foram retirados do Boletim da Covid-19 da Secretaria Municipal de Saúde (Sesma).

Isso a propaganda não mostra.

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar