CRIMEDENÚNCIANOTÍCIAS

ROTAM tem comando exonerado após festejar soltura de acusados de estupro

Mudanças no comando do Batalhão de Rondas Ostensivas Táticas Motorizadas (Rotam). O comandante e o subcomandante foram exonerados em razão dos excessos nas comemorações por conta da revogação da prisão preventiva de quatro militares da Rotam acusados de estupro.

A comemoração dos militares foi registrada, em vídeo, e ocorreu no quartel da Rotam, em Belém, no dia 19 deste mês. Segundo a Promotoria de Justiça Militar, os policiais se reuniram para comemorar a soltura de agentes presos pela acusação de envolvimento em crimes de estupro e tortura.

Ainda de acordo com o promotor de Justiça Militar, Armando Brasil, a Promotoria vai analisar a possibilidade de pedir o afastamento de toda guarnição que participou deste ato.

O comandante geral da Polícia Militar, Dilson Júnior, exonerou o tenente coronel Fábio Alex Corrêa Barra da função de comandante da Rotam. E o nomeou para o comando do 10º Batalhão de Polícia (Icoaraci). Também exonerou o tenente coronel Adilson Tavares de Aquino do comando de Batalhão de Polícia de Choque (Belém), nomeando-o para exercer a função de comandante do Batalhão de Rondas Ostensivas Táticas Motorizadas

Exonerou, ainda, o 1º tenente Jefferson Adriano Lima e Silva da função de comandante da 2ª Companhia Orgânica do Batalhão de Rondas Ostensiva Táticas Motorizadas e o transferiu para o Departamento Geral de Pessoal (Icoaraci). Também exonerou o major Samir do Nascimento Hejaij da função de subcomandante do  Batalhão de Rondas Ostensivas Motorizadas e o  nomeou para a chefia da Divisão de Ensino do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Cefap).

E exonerou, ainda, o major Helton Pinheiro da Rocha da função de comandante da 2ª Companhia Orgânica do Batalhão de Operações Especiais e o nomeou para exercer a função de subcomandante do Batalhão de Rondas Ostensivas Táticas Motorizadas. As portarias são datadas do dia 22 deste mês.

Os quatro agentes da ROTAM foram presos sob acusações de tortura e estupro contra uma jovem de 18 anos, que alega ter sido violentada pelos militares no mês de julho, em Ananindeua, na Grande Belém. Estas acusações são investigadas em sigilo.

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar