NACIONALNOTÍCIASPOLÍTICA

Delegação internacional de ativistas e políticos de esquerda virá ao Brasil pressionar contra Ferrogrão

Está previsto para o próximo dia 15 de agosto o desembarque de uma delegação internacional formada por ativistas e políticos de esquerda para pressionar contra a construção da Ferrogrão, ferrovia que liga o Mato Grosso e Pará para exportação de soja e milho.

A ferrovia, de cerca de 1.000 km de extensão, ligaria Sinop (MT), um dos pólos produtores de soja no Brasil, ao porto de Miritituba (PA).

A comitiva que virá ao Brasil faz parte da Internacional Progressista, entidade criada em 2020 pelo senador americano Bernie Sanders e pelo ex-ministro das Finanças da Grécia Yanis Varoufakis, e que reúne políticos, ativistas e celebridades de diferentes países.

No Brasil, um dos integrantes da entidade é Fernando Haddad (PT), ex-prefeito de São Paulo. Outros membros são o linguista Noam Chomsky (EUA), o ex-presidente do Equador Rafael Correa, o ator Gael García Bernal (México), o ex-vice-presidente da Bolívia Álvaro García-Linera, a primeira-ministra da Islândia, Katrín Jakobsdóttir e a escritora Naomi Klein (Canadá).

Deverão aterrissar no Brasil parlamentares de países como Espanha e Alemanha, lideranças indígenas dos EUA, ativistas ambientais e sindicalistas, de acordo com o economista americano David Adler, coordenador-geral da organização.

“Vamos com uma ambição clara: queremos derrotar esse projeto. Se houver atenção e escrutínio internacionais, podemos enterrar a Ferrogrão”, diz Adler.

A delegação da Internacional Progressista deve ficar no Brasil durante seis dias, e incluir encontros em Brasília, Santarém e Belém.

Em postagem no Twitter, o ministro da Infraestutura, Tarcísio Gomes de Freitas, rebateu os argumentos contrários e defendeu a obra.

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar