NACIONALNOTÍCIAS

Mais de 680 mil servidores estão recebendo auxílio emergencial irregularmente

De acordo com a Globo News, mais de 680 mil servidores públicos receberam o auxílio emergencial de R$ 600 irregularmente. A informação foi revelada na noite de quinta-feira, 13, durante a “Edição das 18h” da emissora de TV por assinatura.

Esses milhares de servidores públicos que receberam o benefício criado para os trabalhadores mais vulneráveis causaram prejuízo aos cofres públicos de quase 1 bilhão de reais. Mesmo com os recentes alertas que a Controladoria-Geral da União (CGU) deu sobre fraudes, o número de beneficiários irregulares continua crescendo.

Prejuízo – A repórter Nathalia Toledo, da Globo News, que deu a informação, acrescentou que o número de fraudes está crescendo em ritmo acelerado. “A última apuração que a gente tinha notícia da Controladoria-Geral da União era de pouco mais de pouco mais de 270 milhões de reais pagos para quem não tem direito ao auxílio emergencial. Um mês depois, entrando nessa conta a folha de pagamento de junho e até 19 de julho – nem conta o mês passado inteiro -, esse valor mais que triplicou”, revelou a repórter.

De acordo com a repórter, o prejuízo aos cofres públicos atualmente é de mais de 980 milhões de reais. O número trata apenas de servidores públicos e não engloba outros brasileiros que não são do funcionalismo e recebem o auxílio indevidamente. Os mais de 680 mil servidores são das três esferas do poder, federal, estadual e municipal.

Segundo a Controladoria-Geral da União, na lista dos mais de 680 mil servidores que ainda estão recebendo irregularmente, há mais de 14 mil servidores federais, entre aposentados e pensionistas, 52 mil militares e 950 empresas estatais. Somando servidores públicos, municipais e estaduais, são mais de 613 mil, ativos, inativos e pensionistas.

Fonte: Notícias Concursos

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar